RACE RUNNING (Petra)

A modalidade  Race Running (Petra) nasceu na Dinamarca no ano de 1989, criada por um paratleta chamado Mansor Siddiqi, que acabou batizando a modalidade com esse nome como uma homenagem à mascote dos Paralimpíadas de Barcelona no ano de 1992, que se chamava Petra e que ao experimentar essa nova modalidade demonstrou um incrível desempenho.

No Brasil, a Petra teve início apenas em 2009 por meio da Associação Nacional de Desporto para Deficientes (ANDE), por intermédio do professor doutor Ivaldo Brandão e da fisioterapeuta Tania Frazão.

Petra Race Running é uma modalidade do atletismo na qual os atletas correm com os seus próprios pés apoiando-se a um andador, uma espécie de triciclo sem pedais (a Petra, conhecida também como Running Bike), uma armação com três rodas anexadas a um suporte para o corpo. O corredor tem o apoio de um assento, um suporte para tronco e o guidão, que é utilizado para direcionar.

RACE RUNNING (PETRA )
RACE RUNNING (PETRA )

A Petra é predominantemente adequada para pessoas com paralisia cerebral, mas adéqua-se também às pessoas com distrofia muscular, doença de Parkinson e outras deficiências que afetam a mobilidade e o equilíbrio. Ela pode ser utilizada por crianças a partir de três anos até a idade adulta, e auxilia de forma eficaz a melhorar a aptidão geral, força e bem-estar. Para além do esporte, ela pode ainda ser utilizada com fins recreativos.

O baixo centro de gravidade e o design do quadro oferecem boa estabilidade e equilíbrio durante a marcha ou caminhada. A Petra flui tão livremente que mesmo crianças e adultos restritos a cadeiras de rodas conseguem impulsionar-se por seus próprios esforços.

As competições são realizadas em uma pista de atletismo. Os eventos internacionais oficiais em que os Rankings e os registros mundiais são administrados consistem em provas de 100m, 200m, 400m, 800m, 1500m e 5000m.

Classificação funcional

Os competidores são classificados com base na sua deficiência e corrida contra outros concorrentes em sua classe. Existem 3 classes de classificação internacionais de acordo com a CPISRA – Cerebral Palsy International Sports and Recreation Association. E são elas: RR1, RR2 e RR3. Além disso, existe a classe RR4, que é uma classificação disponível para aqueles com desafios de mobilidade que não se classificam nas classes RR1, RR2 ou RR3.

Segue a descrição das classes internacionais, de acordo com a CPISRA:

Classificação RR1

Classificam-se como RR1 pessoas que possuem: envolvimento severo de pernas (“LL” – do inglês, Legs) e tronco, com espasticidade significativa (alteração no tônus muscular, rigidez no músculo, que ocorre em doenças neurológicas que provocam lesão de células do sistema nervoso, responsáveis pelo controle dos movimentos voluntários), padrões grosseiros de movimentos únicos, dificuldade em isolar movimentos articulares individuais, propulsão de pernas ineficaz/arrastar os pés, assimetria severa, má coordenação, controle do tronco e alto envolvimento de membros superiores, função de mão limitada que requer ajudas de colocação de mão, reflexo de alarme (startle reflex).

Classificação RR2

Classificam-se como RR2 pessoas que possuem: envolvimento moderado de pernas (“LL” – do inglês, Legs) e tronco (menos espasticidade) e assimetria, mas com padrão de empurrão mais eficaz do que o RR1; podem precisar de luvas para manter as mãos no guidão; mínimo ou nenhum arrastamento os pés, má coordenação, mas com capacidade de alternar o movimento das pernas ainda que com eficácia limitada do passo, controle do tronco moderado.

Classificação RR3

Classificam-se como RR3 pessoas que possuem: envolvimento leve a moderado de um ou ambos os membros superiores (UL), controle de tronco justo a bom, envolvimento moderado de LL (pernas), movimento simétrico ou ligeiro assimétrico de LL (pernas), com movimento alternado da perna e bom empurrão, sem reflexo de alarme (startle reflex), ou seja, início efetivo, boa aceleração com direção e travagem adequadas, que não exige cintas de mão, que possui amplitude reduzida do movimento nas articulações do quadril e do joelho que pode limitar o comprimento do passo.

Classificação RR4

Classificam-se como RR4  as pessoas que, de acordo com suas limitações de mobilidade, não se encaixam nas classificações RR1, RR3 e RR3. A classe RR4 não é uma classificação internacional do CPISRA, no entanto, os órgãos nacionais podem incluí-la em suas competições e eventos domésticos e abertos.

PETRA RACE RUNNING NA UMPM

A modalidade é nova no Brasil e vem sendo realizada pela UMPM a partir do ano de 2014, se desenvolvendo e se disseminando pouco a pouco.

Até o momento, nossos atletas têm como principais conquistas:

  • 3 OUROS, 3 PRATAS e 2 BRONZES no 1º Campeonato Brasileiro 2015
  • 1 PRATA e 3 BRONZES no 1º Campeonato Brasileiro 2016